24 julho 2021

Casas conectadas: a busca pela convergencia entre as tecnologias

Artigo publicado na edição 183 da revista Audio & Video Design
Autor: George Wootton

Grandes empresas envolvidas com o mundo das Casas Conectadas estão trabalhando em conjunto em busca da convergencia entre as tecnologias

Convergência normalmente é uma coisa boa, eliminando conflitos e divisão de interesses. E quando pensamos em Casas Conectadas, há muitas áreas que se beneficiariam de uma certa convergência de ideias, objetivos e tecnologias. Esta convergência não é sinônimo de monopólio e sim de padronização, simplificando mas não eliminando as opções.

Se focarmos apenas nas tecnologias de automação relacionadas às Casas Conectadas, vemos que temos um excesso de opções que nos confundem e nos desanimam.

Quando olhamos para uma das áreas, a da iluminação, temos as lâmpadas inteligentes, os interruptores inteligentes e os módulos que se escondem atrás de interruptores normais. Com um pouco de dedicação conseguimos até definir a que melhor se aplica a cada caso e, provavelmente, nossas frustrações serão apenas com os primeiros erros, causadas por compras de ímpeto ou por presentes que nos deram.

Em outras áreas como câmeras inteligentes e tomadas inteligentes as diferenças são poucas e facilmente identificáveis (se nos dermos ao trabalho de ler as descrições detalhadas).

Mas há duas áreas onde a convergência está longe de ser conseguida: a interface com o usuário e a integração entre fabricantes. Hoje, vamos nos dedicar a esta segunda falta de convergência.

Para ler este artigo completo, clique aqui

----------------------------------------------------------------------------------------------------------------


Mais informações sobre o novo padrão Matter, veja este artigo

12 maio 2021

O Futuro chegou, e com nome diferente: MATTER

 No final de 2019 falamos aqui sobre um novo padrão de conectividade, um projeto desenvolvido pela Zigbee Alliance chamado CHIP – Connected Home over IP (algo como Casa Conectada usando IP).

Empresas de tecnologia gigantes, como Apple, Amazon e Google, e fabricantes, como Legrand, Schneider, Somfy e Wulian, se juntaram à Zigbee Alliance para buscar uma padronização na conectividade sem fio dos produtos para a Casa Conectada.

Os principais objetivos eram simplificar a integração, eliminar a necessidade do usuário em “tomar partido” e abrir caminho para a interoperabilidade, além de dar um tratamento mais profissional à confiabilidade e segurança.



Tenho acompanhado os passos desta nova “Zigbee Alliance” e o progresso tem sido bem-sucedido e consolidado. E agora chegamos a um novo estágio em busca desta padronização: seu lançamento oficial!

Claro que, como todo projeto de algo novo, começaram com nomes internos, que agora foram alterados e oficializados: a aliança, que antes era a Zigbee Alliance, agora é CSA – Connectivity Standards Alliance. E o protocolo em si, antes chamado de CHIP, agora se chama matter.

Ele é o mesmo CHIP, ou seja, é um protocolo baseado em IP (Internet Protocol), aberto e disponível para qualquer fabricante que queira incorporá-lo nos seus produtos.

Por ser IP, é um enorme caminho para a integração dentro de um mundo de IoT (Internet das Coisas) e permite, ainda, múltiplos caminhos para que o dispositivo se conecte aos demais dispositivos da sua Casa Conectada.

A adoção do matter deve mudar substancialmente a arquitetura atualmente mais utilizada na Casa Conectada, aquela de plataformas na nuvem, pois permitirá a comunicação direta entre os dispositivos, incluindo os assistentes de voz.

E não se preocupe, eles têm planos de proteger o investimento que você já possa ter feito em relação à sua Casa Conectada, colocando no mercado gateways entre matter e os protocolos existentes, como WiFi, Zigbee e Bluetooth.

A aposta da aliança neste novo padrão de conectividade parece tão forte que a própria Zigbee o apoia, em detrimento ao seu próprio padrão.

Devemos começar a ver até o final do ano os primeiros produtos aparecendo no mercado com o padrão matter. Muito provavelmente também terão os padrões mais utilizados atualmente, permitindo seu uso em qualquer ambiente.

Em breve deveremos ter as principais empresas da aliança se posicionando quanto ao mercado e este blog deve trazer muito mais informações sobre o assunto nas próximas semanas.

Mas se prepare para começar a ver este logo mais e mais presente na sua vida de Casa Conectada:

 

26 junho 2020

Invista em ter uma Casa Inteligente e tire proveito da Inteligência Artificial

Autor: George Wootton
Publicado na revista Audio & Video Design, edição 178

Aos poucos, a Internet das Coisas está tomando conta de tudo que nos cerca. Temos a Casa Inteligente cuidando do nosso dia-a-dia; temos a Cidade Inteligente cuidando dos nossos deslocamentos e agilizando os serviços que o poder público nos presta; temos a Indústria 4.0 permitindo melhor produção e menor custo; temos a Internet das Coisas cuidando de nossas colheitas e rebanhos. E por aí vamos, encontrando a Internet das Coisas conectando sensores, atuadores e seres humanos em praticamente todas as atividades do nosso dia-a-dia.

Mas a Internet das Coisas é só um meio de conexão e ela precisa de uma parceira para realmente ser “diferente”. Ela consegue uma quantidade gigantesca de dados e consegue estar eu quase todos os lugares, mas falta algo. O que fazer com esta gigantesca colheita de dados que a Internet das Coisas nos oferece?

Temos a Inteligência Artificial, algo ainda meio estranho para muitos, que tem como premissa básica simular um processo de aprendizagem. Leia a íntegra do artigo clicando aqui